Tel:(de 8:00 às 18:00 horas)
+55 38 35312392 (Fixo)
+55 38 9 88522392 (Oi)

Endereço do Hostel:
Rua Professora Darcília Godoy, 99
Diamantina - MG - Brasil

Informações Turísticas - Cultural

"

Caminho dos Escravos

Bem próximo à cidade de Diamantina, o caminho de pedras, construído pelos escravos no século XIX, faz parte da antiga Estrada Real. Este é um trabalho artesanal, preservado ainda hoje, como originalmente concebido. Ao longo da caminhada, observa-se a paisagem natural da região e a vista panorâmica de Diamantina.

  "

Cruzeiro da Serra

O Cruzeiro da Serra localiza-se no morro de Santo António, a uma altitude de 1300 metros. De lá é possível ter uma ótima vista panorâmica de Diamantina e também observar o Pico do Itambé. Nesse local, onde predominam a vegetação de cerrado e a cobertura de formações rochosas. O Cruzeiro da Serra é o marco comemorativo do centenário da fundação de Diamantina (1838-1938).

"

Casa Chica da Silva

Nesta casa morou, entre 1763 e 1771, o contratador João Fernandes de Oliveira em companhia de sua amante, a ex-escrava Chica da Silva.
Em 1771 foi construída na lateral da casa uma pequena capela para uso exclusivo de Chica. Esta, foi demolida em data desconhecida, teve apenas a sua fachada reconstruída em 1951.
A casa tem um grande terreno nos fundos e uma fachada lateral de influência árabe. 
Atualmente, abriga a sede do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

 "

Casa da Glória

Integrada por duas edificações dos séculos XVIII e XIX, ligadas por um passadiço, já abrigou o colégio das irmãs vicentinas e hoje é sede do Instituto Casa da Glória, da UFMG.
Alguns acreditam que inicialmente a casa pertenceu à Coroa Portuguesa e, em seguida, a Dona Josefa Maria da Glória. Outros dizem que a casa teria sido construída a pedido dessa senhora. Isso explica a origem do nome.

"

Casa do Intendente

O sobrado foi construído por iniciativa do governo colonial, entre 1733 e 1735, para abrigar a Intendência dos Diamantes. Em 1950 foi restaurado pelo IPHAN e transformou-se na sede da Prefeitura Municipal. 
No segundo andar da casa do Intendente Câmara existem dois salões com tetos de gamela. Um deles é todo pintado em policromia, com motivos profanos. São cinco painéis, provavelmente datados de fins do século XVIII ou princípio do XIX, trabalhados em cores suaves e tonalidade pastel. Sua autoria ignorada. 


 "

Casa do Muxarabiê

Erguida na segunda metade do século XVIII, este sobrado é o único da cidade com um muxarabiê, um detalhe arquitetônico de influência árabe. Sua função era permitir que as moças pudessem ver a movimentação nas ruas sem serem notadas pelos transeuntes.
Restaurado na década de 1950, atualmente abriga a Biblioteca Pública Antônio Torres, em homenagem ao escritor e jornalista nascido na cidade. A Biblioteca possui um rico acervo histórico com documentos e livros raros.


  "

Casa de Juscelino Kubitschek

Quem se depara com essa típica casinha mineira do século XVIII, mal pode imaginar que ali morou um homem que mudou os rumos de todo um país. Esse local abrigou a família Kubitschek entre os anos de 1907 e 1920.
Hoje é sede do museu da vida e história do ex-presidente diamantinense Juscelino Kubitschek de Oliveira.

 "

Casarão do Fórum

Construção datada do século XVIII, a edificação é das mais importantes do período colonial do antigo Tijuco. Originalmente destinada à residência particular, em meados do século XIX já servia à Câmara Municipal. Foi utilizada, também, como cadeia. Atualmente, o prédio é utilizado como Fórum Municipal.

 "

Mercado dos Tropeiros

O início da edificação do mercado ocorreu por volta de 1835, por ordem do tenente Joaquim Cassimiro Lages, com o intuito de estabelecer ali um prédio para moradia e comércio. Também, no mesmo local instalou-se um rancho de tropeiros, mais conhecido como intendência. Era ponto de venda de mercadorias trazidas pelos tropeiros.
Atualmente abriga o Centro Cultural David Ribeiro e a tradicional feira de artesanato, comidas, bebidas e hortifrutigranjeiros realizada as sextas e sábados.

 " 

Casa do Contrato

A Casa do Contrato foi erguida no século XVIII e teve essa função até 1771 quando o local passou a ser residência do Inspetor Geral dos Terrenos Diamantinos. Em 1853, o local virou sede do Ateneu São Vicente de Paula. Cerca de 11 anos depois o prédio foi doado pelo Governo Imperial ao Bispado de Diamantina.
Reformado em 1915, o hoje Palácio da Arquidiocese de Diamantina ainda lembra muito o velho casarão da antiga Casa dos Contratos.

 "

Museu do Diamante

Construção do século XVIII, foi residência do inconfidente Padre José de Oliveira e Silva Rolim.
Hoje abriga o atual Museu do Diamante, criado em 1954, após o tombamento (1950) da casa do inconfidente.
O museu guarda boa parte da história do Distrito Diamantino, com objetos da época colonial, como móveis, utensílios, instrumentos utilizados para prender e castigar os escravos e para extração de ouro e diamante.

Veja mais.... | Ambiental | Social | Religioso

 

:: Painel .